domingo, 17 de março de 2013

FASES DO CAPITALISMO



CAPITALISMO COMERCIAL

Contexto histórico
O Capitalismo Comercial é conhecido como a primeira fase do Capitalismo. Sua gestação começou no Renascimento Comercial dos séculos XIII e XIV. Porém, o Capitalismo Comercial ganhou força no início no século XV com o desenvolvimento da burguesia comercial europeia. As grandes navegações e conquistas marítimas dos séculos XV e XVI foram de fundamental importância para o desenvolvimento do capitalismo neste momento.

Principais características
- Os locais  onde o capitalismo comercial mais se desenvolveu foram: cidades italianas de Gênova e Veneza, Espanha, Portugal, Alemanha, França, Inglaterra e Países Baixos;
- Impulso comercial através das conquistas de territórios na África e América, principalmente por Portugal e Espanha. Estes países colonizaram e exploraram colônias, retirando recursos naturais (principalmente ouro). Um dos exemplos foi a exploração feita por Portugal em sua principal colônia, o Brasil;
- Grande porder econômico, social e político da burguesia comercial;
- Uso de mão-de-obra escrava de origem africana, principalmente nas colônias portuguesas e espanholas;
- Mercantilismo: política econômica que priorizava o acúmulo primitivo de capital, metalismo (riqueza através de ouro e prata), protecionismo alfandegário, Pacto Colonial (relações comerciais exclusivas entre Metrópole e Colônia) e a balança comercial favorável (mais exportações do que importações);
- Desenvolvimento do sistema bancário que favoreceu o avanço do capitalismo comercial.

Enfraquecimento
O capitalismo comercial perdeu força no século XVIII com a Revolução Industrial e o surgimento do capitalismo industrial. Vale dizer que o comércio (relações comerciais) não deixou de ter importância, porém as atividades industriais passaram a ganhar mais relevância econômica a partir de meados do século XVIII.

CAPITALISMO INDUSTRIAL

O capitalismo Industrial foi a segunda fase do desenvolvimento do capitalismo. Teve início com a Primeira Revolução Industrial do século XVIII, avançando até o século XIX com a Segunda Revolução Industrial. A Inglaterra é considerada o berço desta fase do capitalismo, pois foi neste país que teve início o processo de revolução industrial.

Principais características
- Atividades industriais como principal fonte de negócio e lucros. Destaque para a indústria têxtil.
- Concentração de renda nas mãos da burguesia industrial (grandes donos de indústrias);
- Alta desigualdade social, pois os lucros ficavam quase integralmente com os donos de indústrias que pagavam salários muito baixos para os operários;
- Evolução nos meios de produção com a invenção e uso de máquinas a vapor. Aumento da produção com custo mais baixo.
- Uso do carvão como fonte de energia e ferro como principal matéria-prima;
- Desenvolvimento de meios de transporte (locomotivas e navios a vapor) rápidos e de longas distâncias para atender a logística.
- Uso nas indústrias de mão-de-obra assalariada;
- Salários baixos, poucos direitos trabalhistas e exploração de mão-de-obra infantil. Grande parte dos operários vivia em péssimas condições sociais.
- Êxodo rural - saída de trabalhadores do campo para buscar empregos nas indústrias das cidades;
- Crescimento desordenado das cidades industriais europeias com piora na qualidade de vida e surgimento de problemas sociais;
- A partir da segunda metade do século XIX, o capitalismo industrial cresceu em outros países como, por exemplo, França, Bélgica, Alemanha, Holanda, Estados Unidos e Japão;
- No final do século XIX começou a surgir as empresas multinacionais com a união do capital industrial com o financeiro (principalmente bancos). Ocorreu neste contexto, a formação de monopólios em vários setores da economia, organizados e mantidos pelas grandes indústrias.

Neocolialismo e Imperialismo
Como forma de ampliar o mercado consumidor e obter novas fontes de matérias-primas, as principais potências econômicas europeias conquistaram países na Ásia e África. Além de impor o modo de vida europeu nas regiões colonizadas, os europeus vendiam seus produtos e exploravam recursos minerais e vegetais nestes países. Foi uma forma de expandir o capitalismo no século XIX.

- O socialismo surgiu no século XIX como oposição ao capitalismo industrial. Os socialistas propunham uma modelo econômico e social baseado na igualdade social, com o controle dos meios de produção realizado pelos trabalhadores das fábricas. Karl Marx foi o principal representante do socialismo.

CAPITALISMO FINANCEIRO

O capitalismo financeiro é um sistema econômico, subtipo do capitalismo, que surgiu no começo do século XX e apresenta como característica principal a subordinação dos meios de produção para a acumulação de dinheiro e obtenção de lucros através do mercado financeiro (ações, produtos financeiros, títulos, derivativos e mercado de câmbio). O capitalismo financeiro está presente na economia mundial até os dias de hoje.

Principais características
- Forte presença, na primeira metade do século XX, de empresas (indústrias, comércios e finanças) monopolizadoras;
- Integração do capital industrial ao bancário;
- Busca de lucros expressivos no mercado financeiro, através da negociação de ações, moedas, derivativos e outros produtos financeiros;
- Fortalecimento do sistema de empréstimos e financiamentos para aquisição de bens (imóveis, carros e outros produtos);
- Fortalecimento das bolsas de valores;
- Surgimento de empresas multinacionais (transnacionais);
- Aumento da importância dos bancos na vida das empresas e pessoas. Dependência para pagar contas, obter empréstimos e financiamentos, investimentos e outras atividades financeiras.
- Aumento da especulação financeira nos mercados;
- Aumento dos lucros dos bancos, financeiras, corretoras de seguros e corretoras que operam com ações nas bolsas de valores;
- Surgimento e valorização de profissões voltadas para o mercado financeiro;
- Surgimento, uso e dependência de sistemas tecnológicos nas operações financeiras.

Crises
O capitalismo financeiro já enfrentou duas fortes crises. 
A primeira delas ocorreu em 1929 com a Quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque. A desvalorização das ações das empresas norte-americanas ocorreu de forma rápida e significativa. Muitas empresas foram a falência e a crise se espalhou pelos países capitalistas do mundo todo. 
A outra crise foi recente e ainda espalha pelo mundo suas consequências negativas. Surgiu nos Estados Unidos, em 2008, com o estouro da bolha imobiliária e a desvalorização de produtos financeiros presentes nas carteiras de diversos bancos norte-americanos e europeus. A crise  gerou falências, além de diminuir o crescimento econômico em diversos países e aumentar o desemprego nos EUA e na Europa.

Veja tambem: CAPITALISMOSOCIALISMO e MUNDO BIPOLAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário